Cowboy Cantor

A excelência da música independente. Todas as canções utilizadas com autorização. The excellence of independent music. All songs used under permission.

Cowboy Cantor 310: Colin Self

Posted by cowboycantor in DefaultTag

1. Colin Self - Foresight

2. Colin Self - Survival

 

Colin.jpg

Colin Self

Bandcamp

iTunes

Spotify

 

Cowboy Cantor, a excelência da música independente.

 

Cowboy Cantor 309: Dominique Fils-Amé

Posted by cowboycantor in podcast, music

1. Dominique Fils-Aimé - Constructive Interference

2. Parkas - Lenin & McCarthy

3. Dominique Fils-Aimé - Nameless

4. We Sea com Daniel - Verde Seco Feito Negro

 

 

Dominique Fils-Aimé, Montréal, Canadá, é a voz que me deu o impulso para o novo formato do Cowboy Cantor. Mais do que dar destaque a um álbum em cada edição do podcast, o objectivo seria concentrar a atenção de cada Cowboy Cantor num artista só, partilhando convosco uma canção de cada um dos álbuns já editados pelo artista escolhido.

 

Começámos a 309.ª emissão do podcast com a canção Constructive Interference, do álbum Stay Tuned, segundo álbum da trilogia que começou em 2018 com o álbum Nameless. Trilogia esta que tem como tema principal a resilência humana face adversidade e opressão, e é também uma homenagem à história e cultura afro-americana.   

Dominique_Nameless.jpg

 

Na música de Dominique Fils-Aimé encontramos elementos da música soul, jazz ou gospel. Sempre com um carácter minimalista, embora o segundo álbum seja um pouco mais elaborado. Mas quer em Nameless, quer em Stay Tuned, ouve-se uma activista a quebrar também várias barreiras de padrões musicais.

Dominique_Stay_Tuned.jpg

 

Tomo por emprestado o título do segundo álbum da cantora canadiana para um comentário final: fiquem atentos a Dominique Fils-Aimé.

 

Dominique Fils-Aimé

Bandcamp, iTunes, Spotify

 

 

Parkas

Bandcamp, iTunes, Spotify

 

We Sea

iTunes, Spotify

 

Cowboy Cantor, a excelência da música independente.

Cowboy Cantor 308: We Sea

Posted by cowboycantor in DefaultTag

1. We Sea - Ser de Ver

2. We Sea - Basbaque

3. We Sea - Verde Seco Feito Negro

 We_Sea_Basbaque.jpg

 

Rui Rofino e Clemente Almeida, comendadores da excelência musical, ou então We Sea,

 

Não quero parecer aquele amigo que dá palmadinhas nas costas dos amigos, em sinal de apoio. Nem quero parecer um daqueles cidadãos de peito cheio pelos feitos dos nativos do seu concelho. Muito menos quero hastear a bandeira da região Açores para falar dos We Sea.

 

Quero que compreendam que o álbum Basbaque tem um valor muito superior a qualquer amizade, enquadramento musical ou proximidade geográfica que me une a vocês. Basbaque é uma caixa de Pandora: a caixa que trouxe grandes tragédias à humanidade, mas guardou a esperança. Assim é Basbaque: toda a música a partir de hoje soará a uma tragédia sonora, se não conseguir de igual forma fazer parar o tempo ou relativizar a sua passagem.

 

We_Sea.jpg

 

Basbaque é uma arrepio completo. Um arrepio de 162cm e 70kg. Basbaque são letras, melodias, sons e vozes que me orgulham de querer ser mais e melhor todos os dias, porque Basbaque é mais e melhor de cada vez que o ouço.

 

Basbaque é um ponto de viragem na minha vida. Basbaque é um sorriso ao amanhecer e um suspiro de gratidão ao final do dia. Obrigado.

 

We Sea:

iTunes, Spotify

 

Cowboy Cantor 307: Sam Cassidy

Posted by cowboycantor in DefaultTag

1. Sam Cassidy - Dallas

2. Certain Stars - Highschoolalloveragain

3. Sam Cassdiy - Choice You Make

 

 Sam_Cassidy.jpg

 

This record is finally out in the world. I haven’t written anything like this one in my almost twenty years of making recordings. (Sam Cassidy, sobre Running Blind)

 

Running Blind (Sam Cassidy, 2019), segundo longa duração de Sam Cassidy, cantor e compositor de Minneapolis, é a história de um assalto que correu mal. As canções são histórias de diferentes personagens que expõem a diferentes perspectivas sobre o que as motivaram a participar nesse assalto. Tal como em filmes como Pulp Fiction ou Snatch, somos confrontados com diferentes personagens, diferentes acontecimentos, mas que no final convergem todos para o mesmo momento.

 

Embora os acontecimentos e personagens de Running Blind sejam fictícios, há um pouco do próprio cantor americano em cada uma das 12 canções que compõem o álbum. Por não ser uma história totalmente biográfica, Sam Cassidy conseguiu escrever sobre temas que não tinham sido muito explorados em trabalhos anteriores.

 

Sam_Cassidy_2.jpg

 

Ray, o estratega principal do plano, tentava esquecer um passado marcado por desgostos de amor. Louie, amigo de Ray, manipulador com as suas palavras suaves, andou sempre longe de problemas até ao dia em que foi convencido por Ray a fazer parte do assalto. O plano para ser bem sucedido teria de contar com Johnny. O assalto terá sido mal-sucedido devido precisamente a alguma cobardia de Johnny, que tinha como segundo emprego ser o recepcionista nocturno numa loja de cheques, o alvo do assalto. Todo o plano resulta afinal em vidas irreparavelmente estilhaçadas.

 

Com influências dos seus heróis Bruce Springsteen e Tom Petty, há referências a Kendrick Lamar ou ao director de cinema David Lowry, director de por exemplo Pete's Dragon, e ainda inspiração no autor Dennis Lehane, tendo em Mystic River uma das suas obras mais conhecidas, que serviu de base para o filme do mesmo nome de Clint Eastwood.

 

 

Sam Cassidy

Bandcamp, iTunes, Spotify

 

 

Certain Stars

CD Baby, iTunes, Spotify

Cowboy Cantor 306: Rolla Olak

Posted by cowboycantor in podcast, music

Cowboy Cantor 305: Rolla Olak

1. Rolla Olak - 2am

2. The Morning Stars - Wrong

3. Rolla Olak - Dance All Night

                                         Rolla_Olak.jpg

 

Todas as canções que utilizo no Cowboy Cantor estão previamente autorizadas pelos artistas, editoras ou alguém que os represente. Ao longo de mais de 13 anos, a primeira vez que gravei o podcast foi no dia 6 de Janeiro de 2006, tenho procurado quase diariamente álbuns ou canções que não sendo do conhecimento público em massa, são obras que não merecem ficar no anonimato ou entre um público muito reduzido. Acredito que no século XXI se consegue ainda criar composições que possam ficar na nossa memória, e nos dêem vontade de ouvir repetidamente.

 
Em 2016 ouvi pela primeira vez o álbum Heavy Feather, do canadiano Rolla Olak e editado pela Older Records. Não só fiquei imediatamente com as canções, as melodias e as letras na minha memória, como passou a ser um dos meus álbuns preferidos e senti necessidade de partilhar de alguma forma convosco esta obra. Tentei, sem sucesso, contactar o artista, a editora, algum agente ou representante que me pudesse autorizar as canções para o podcast. Tentei uma, duas, três, dezenas de vezes. E nada. Nunca quis desistir, porque este Heavy Feather merece tudo o que de bom queiram dizer sobre ele.

 

Finalmente há poucos dias recebi uma mensagem do próprio Rolla Olak a confirmar que estava autorizado a utilizar as suas canções no Cowboy Cantor. E assim estamos nós na 306.ª edição regular do primeiro podcast dos Açores, para ouvir canções do álbum que eu ouço em alternativa aos já cansados de rodar álbuns dos Dire Straits.

 

Lamentavelmente não está disponível em vinil, nem muito menos em c.d. Mas está bem presente nas minhas rotinas musicais dos últimos 3 anos, e continuará durante muito mais tempo.

 

Heavy Feather fala de amizade, romance e separação, bem como da procura por aprender e ensinar virtudes. Embora muito emocional, não é um álbum que possa em alguma altura ser doloroso. Antes pelo contrário, as canções sucedem-se muito fluentemente. Algumas delas surpreende-nos pelo seu desenvolvimento, e a cada audição somos capazes de ser surpreendidos por um ou outro pormenor que nos tenha escapado em audições anteriores.

 

A equipa de músicos e produtores inclui o produtor Aaron Older, ligado a trabalhos de Edward Sharpe and the Magnetic Zeros, a mistura e masterização de Colin Stewart ou Kathryn Calder dos New Pornographers, na voz e piano. O próprio Aaron Older toca sintetizadores e bateria.

 

Composto numa cave na ilha de Vancouver, ao contrário de trabalhos anteriores de Rolla Olak que foram compostos numa casa de campo, Heavy Feather apresenta várias canções que começam com a contagem do cantor. Este aspecto faz-nos aproximar ainda mais de cada canção, e sentirmos ainda melhor o músico junto de nós e o álbum como parte do nosso dia-a-dia.

 

Rolla Olak:

Bandcamp, iTunes, Older Records, Spotify

 

The Morning Stars:

Discogs, iTunes, Spotify

Cowboy Cantor 305: E.B. The Younger

Posted by cowboycantor in podcast, music

Cowboy Cantor 305:

1. E.B. The Younger - Used to Be

2. Goldwing - Marianne

3. E.B. The Younger - Down and Out

 

Em destaque na 305.ª edição do Cowboy Cantor: E.B. The Younger e o álbum To Each His Own (Bella Union, 2019).

                                     eb_the_younger.jpeg

Eric Brandon Pulido, ou E.B. The Younger, estreia o novo formato do Cowboy Cantor. O músico americano, um dos mentores e responsáveis pelos Midlake estreia-se em trabalhos a solo. To Each His Own, lançado no dia 8 de Março deste 2019, pela Bella Union, é um álbum que não deve ser apresentado como mais um álbum do um elemento de um grupo musical que queira tentar uma carreira a solo. Nem muito menos deverá ser visto como mais um álbum que é a concretização de um sonho de um adolescente. 

 

Longe de histórias de sonhos, até porque Eric Pulido acredita que a humanidade está a desmoronar-se, To Each His Own é um conjunto de 11 canções para uma humanidade em declínio, a caminho da extinção, talvez. Mas, tal como somos alertados por E.B. The Younger, Roma não caiu num dia só. Há muito tempo para ouvir este álbum.

 

Claro que durante a audição do álbum nos iremos lembrar de Midlake, mas a dúvida essencial do guitarrista do grupo do estado do Texas é: será que To Each His Own é melhor do que algum dos álbuns de Paul McCartney?

 

To Each His Own está disponível em formato digital ou em c.d. e vinil. Procura-o na tua loja favorita.

 

E.B. The Younger:

iTunes, Spotify, Bella Union

 

Goldwing:

Bandcamp, iTunes, Spotify

 

Cowboy Cantor, a excelência da música independente. Todas as canções utilizadas com autorização dos artistas, editoras ou alguém que legalmente os represente. 

Cowboy Cantor 304: Devoção (Devotion)

Posted by cowboycantor in podcast, music

1. Ocean HopeDevotion (Bandcamp, iTunes)

2. Yours Are The Only Ears - Saturn (Bandcamp, iTunes)

3. Lucie Silvas - Black Jeans (iTunes)

4. Sun Valley Gun Club - Falling Apart (Bandcamp, iTunes)

5. Daxuva e Nina Miranda - Hummingbird (iTunes)

6. Daniel Catarino - Meio Trono e Um Rei (Bandcamp, Capote Música, iTunes)

7. Joy Ike - Ever Stay (Bandcamp, iTunes, Loja oficial)

 

Pedi emprestado o título da canção de abertura desta edição do Cowboy Cantor para saudar todos os que acompanham o podcast há quase 13 anos, não 14, como é referido por mais do que uma vez no programa. 

 

Para além de uma mistura ecléctica, como é hábito no Cowboy Cantor, o regresso obrigatório aos novos trabalhos de Sun Valley Gun Club e Daniel Catarino, A voz dos Smoke City e mais quatro vozes femininas que nos fazem gostar de música e da vida.

 

Regressa a pergunta do mês: qual o melhor álbum e a melhor canção de 2018?

 

I borrowed the title of the opening song of this edition of Cowboy Cantor to salute everyone that follows the podcast for about 13 years, not 14 as it is said more than once at the show.

 

Besides an eclectic mix, as usual at Cowboy Cantor, a demanded return to the new works by Sun Valley Gun Club and Daniel Catarino, Smoke City's voice and more four ladies that make us like music and life itself.

 

We also return to the question of the month: what was the best album and best song of 2018?

Cowboy Cantor 303: Uma Viagem ao Meu Verão (A Journey to My Summer)

Posted by cowboycantor in podcast, music

1. Brandy Zdan - The Ones (iTunes, Morgan Mercantile)

2. ALA.NI - Old Fashioned Kiss (iTunes, Missing Piece Group)

3. Half Waif - Keep It Out (Bandcamp, iTunes, Loja oficial)

4. Firstations - Blue Marble (Bandcamp, iTunes)

5. Susto - Hard Drugs (Acid BoysBandcamp, iTunes, Missing Piece Group)

6. The Whealthy West - Wasting Time (iTunes, Loja oficial)

7. Palace Winter - Take Shelter (Bandcamp, iTunes)

 

Sabes o que eu ouvi durante o Verão?

 

Enquanto alguns de vocês já se preparam para os últimos meses do ano, esperando também que o frio chegue, o Cowboy Cantor levo-nos a uma viagem que passa por algumas das melhores memórias do meu Verão.

 

Sabes o que eu ouvi durante o Verão? Agora já sabes.

 

Do you know what I listened this summer?

 

While some of you prepare for the last months of the year, also waiting for the cold, Cowboy Cantor takes you to a journey to some of the best memories of my summer.

 

Do you know what I listened this summer? Now you know.

 

Cowboy Cantor 302: Identidade (Identity)

Posted by cowboycantor in podcast, music

1. Diamond Thug - Saphire (Bandcamp, iTunes)

2. Brödet - Until the Morning (iTunes)

3. Young Creatures - To Be Alive (Bandcamp, iTunes, Loja oficial)

4. Big Syn - Nice to Know Your Face (Bandcamp, iTunes)

5. The Search - Homecoming (Bandcamp, iTunes)

6. LAISH - Sand Is Shifting (Bandcamp, iTunes, Talitres)

7. Twain - Little Dog Mind (Bandcamp, iTunes)

 

A tua identidade, a tua casa, a tua vida. Canções que marcam também definem a identidade Cowboy Cantor, a excelência da música idependente.

 

Your identity, your home, your life. Songs that also define Cowboy Cantor's identity, the excellence of independent music.

 

 

Cowboy Cantor 301: Das Origens ao Futuro (From the Origins Till The Future)

Posted by cowboycantor in podcast

1. Jack & The Bear - The Deal (Bandcamp, iTunes)

2. Men I Trust - Lauren (Bandcamp, iTunes, Return to Analog Records)

3. Cindy Wilson - No One Can Tell You (Bandcamp, iTunes)

4. Quiet Hollers - Medicine (iTunes, Loja oficial)

5. Julie Rhodes - Collector Man (Bandcamp, iTunes)

6. Thanks - Warm Hands (Bandcamp, iTunes)

7. DW VOID - There's Something Wrong About All This (Bandcamp)

 

Das origens ao futuro, este Cowboy Cantor tem sonoridades que fazem lembrar o seu início em 2006 e também canções espelham a evolução do podcast relativamente aos géneros musicais apresentados. Das origens ao futuro, assim será sempre o Cowboy Cantor: recorrendo sempre a estilos musicais que caracterizam o primeiro podcast açoriano, nunca deixando de ouvir e partilhar novas sonoridades.

 

Cowboy Cantor, a excelência da música independente.

 

From the origins till the future, this Cowboy Cantor has souns that remind its beginning and also songs that reflects the podcast's evolution in musical genres. From the origins till the future will always be Cowboy Cantor: using musical styles that characterizes the first Azorean podcast, never forgetting to listen and share new sounds.

 

Cowboy Cantor, the excellence of independent music.

- Older Posts »